sexta-feira, 6 de novembro de 2009

(..)

O que vocês lerão a seguir pode assustar alguns (heheheh). Mas eu me apego muito às pessoas. Sim, é verdade. Por traz da postura meio arrogante e das piadinhas constrangedoras e sem noção ainda bate um coraçãozinho. E lá estão todas as pessoas que foram e importantes na minha vida.

Foram, são e sempre serão, na verdade. Porque - e é nesse sentido que falo do meu apego - elas NUNCA deixarão de ser importantes. E os acontecimentos das vidas delas se refletem em mim.

Há cerca de três semanas a minha Neni contou sobre o desdobramento de um problema de saúde que ela vem lutando há anos. A situação havia evoluído e ela teria que fazer alguns exames para saber o quão grave estava. Mas nossas conversas incluíam piadinhas sobre a possibilidade de ser REALMENTE GRAVE, bem naquele estilo de 'brincadeira em que se diz a verdade'.

Mesmo sem vê-la há anos, também, fiquei assustado e meus pensamentos eram dela várias vezes por dia. Confesso que, como um bom chato, enchi o saco dela para saber o que exatamente estava acontecendo. Mas tive que ficar na ansiedade.

Hoje, me chamou no msn (ah, o mundo virtual. o que seria de mim sem ele?). Está com alguns problemas, sim. Não me falou a gravidade deles. Mas, em princípio, não é nada tão grave como se imaginava.

Sinceramente? O coraçãozinho ficou quilos mais leve. E essa notícia, por mais que não seja uma "ótima" notícia, iluminou meu dia.

Desejo-te sorte, Neni. E que saibas que, mesmo com toda a distância, estarei sempre "perto".

Afinal, como dizíamos: porque é mais de amar, meixmo!

Um comentário:

carolinda disse...

"Sim, é verdade. Por traz da postura meio arrogante e das piadinhas constrangedoras e sem noção ainda bate um coraçãozinho"

tu é um docinho docinho.