sábado, 1 de novembro de 2014

Tão jovens

Ela vai embora
Sempre que quer
Somos jovens, ela diz
Tão jovens
E tão perdidos
Dançando sobre os sentimentos do mundo
Cantando mais alto que nossas dores
Sempre prontos
Para irmos embora
Sem nos importarmos
Porque somos jovens
Tão jovens
E tão perdidos

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Lixo

Nos esgueiramos pelos becos
Como restos jogados ao vento
Vivemos em banheiros imundos
Aceitando toda nossa negligência

Se os dias são de loucura, 
devaneio ou doçura
Pouco importa
Somos lixo, eu e você

Os amantes das calçadas
Nossas almas e nossos corações 
Atirados ao chão

Sem nos preocuparmos
Se alguém prestará atenção
você e eu

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Como a cerveja salvou o mundo?

Qual foi a maior invenção da humanidade? A roda? A lâmpada? O carro? O avião? A internet? Nada disso. O grande responsável pela evolução da raça humana foi a CERVEJA! Ela quem nos levou a DOMINAR O MUNDO (Pink e Cérebro não conheciam a cerveja, por isso se entende o fracasso deles). Parece óbvio para os apaixonados pela bebida, mas garanto que muitos foram pegos de surpresa. Não acredita? Tem até um documentário sobre o assunto. Curte aí!

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

"Como eu queria que você estivesse aqui"

Como em muitas bandas de rock, a história do Pink Floyd foi tumultuada, recheada de causos regados a sexo, drogas e loucuras, brigas e muitas reviravoltas Mas, talvez, o primeiro - não direi o maior, porque a trajetória dos ingleses foi tão genial quanto tumultuada - grande baque do grupo tenha sido no início de 1968, com o afastamento de Syd Barrett. Virtuoso, dizem que o músico não resistiu aos prazeres das substâncias alteradoras de percepção e afundou no LSD, até ficar doidão a ponto de perder a capacidade de convivência em grupo. Na real, nada disso é confirmado.
O que se sabe é que, anos depois, os ex-companheiros compuseram o disco "Wish You Were Here" que foi, também, uma homenagem a Barrett - em especial na música Shine On You Crazy Diamond. Uma complicada, que foi resumida no documentário "The Story of Wish You Were Here" e lançado em julho desse ano. Essencial para quem é fã!

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Graforréia Ximarmônica - Meus Dois Amigos

É que hoje me peguei pensando que dentro de poucos meses não poderei mais cantar "o tempo é curto, estamos quase já com 30". Mas foi massa! E será ainda mais!!!

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Santo Pó/P e o cisne que ressurge

Foi com grande surpresa que recebi o convite para o lançamento do livro Santo Pó/P, do meu brother Everton Cidade em parceria com Gabriel Renner, em uma pizzaria granfina de São Leopoldo. Poeta de mão cheia, com textos que, ouso dizer, poderiam ser eternizados, o Cida sempre foi uma figura de altos e baixos. Nos picos, era incrível. Nas fossas, inacreditável. Dois adjetivos que valem tanto para as coisas boas e más da vida. Assim ele é. Agora em momento altíssimo. Não tenho muitas palavras para descrever meu sentimento antes, durante e após o coquetel de lançamento do livro, na terça-feira (evento, diga-se, digno de um artista recomposto, que, depois de muito tempo na lama, redescobre a alegria de viver). Como sempre fui muito sincero com ele, farei o mesmo aqui. Eu não acreditava que esse livro – prometido desde que lembro de conhecê-lo – realmente se tornaria realidade um dia. E vale cada segundo dispendido para a leitura. A obra representa, para mim, o ressurgimento de um grande artista, o reerguer do cisne outrora derrotado.
Amanhã tem mais lançamento, dessa vez na Casa da Traça, um dos espaços alternativos de agitação cultural de Porto Alegre que, dizem, é dos melhores (ainda não tive a oportunidade de conhecer). As infos, no cartaz acima. Deixo, também, o poema Lázaro, talvez o mais emblemático do Cida, já que ele já está correndo mundo pela internet, mesmo. Então separem 5 pilas, apareçam e aproveitem, de lambuja, um pocket show da Siléste, novo projeto do Cidade com o Leozinho, o Cris e Madger. Recomendo!

LAZARO
 1.
 Sou lazaro
 O fracasso branco
 Fodendo no banco
 De trás do teu carro
 Sou Lazaro vivo
 Entre os mortos
 E morto entre os vivos
 Sou o produto
 Único e inquestionável
 De anos de facismo
 Católico e capitalista
 Sou o único infeliz
Com a bondade e seu
 Preciosismo do consumo
 Direto e adulto
 Sou Lázaro
 O fracasso branco
 O grande fracasso branco
 Com bom gosto
 E mãos de santo
 Machucadas com pelúcia
 E costuradas com pelúcia
 Numa emergência de
 Hospital público
 Sou a ciência
 Sou também a violência
 Nos milagres que publico
 Como meus,
 Mas que são teus
 Porque todo que sou
 Tudo que penso que sou
 Que nego que sou
 É teu e apenas teu
 Pois, sou Lázaro
 O fracasso branco
 Sou a garganta
 Que se fez autofalante
 Do que tua voz menda
 Sou quem te canta
 Com mel e azeite
 Com menta e marzipan
 Com aftas na língua
 Com enfeites baratos
 De lojas de rodoviária,
 De botecos, de camas,
 Onde, apesar do toque,
 Nossos sexos permanecem
 Secos, miúdos, à míngua,
 De beijos
 De hóstias
 De rezas
 Que revelem
 Cristo
 Entre os mortos
 Porque não há morte.
 Há distância apenas.
 Há rejeição apenas.
 E falta de ar
 A alegria há
 Mas a tão duras penas
 Que melhor é abandonar
 A felicidade pela
 Comodidade
 De apenas dormir,
 Comer, dormir, acordar,
 Sou medíocre como são
 Todos os meus,
 Mas eles
 Ainda tem o amor como benção
 Para mim o que sobrou senão
 O dom mal usado da pregação
 E da escrita ruim
 E que desperdícios os atos de amor
 Que cometeram por mim
 Que grande energia
 Desperdiçada com
 Essa máquina com
 Essa máquina de desgosto
 Que sou, essa piada
 Essa alma descarrilada
 Sobre girassóis e bíblias
 Sobre poesias de colégio
 Revistas pornográficas
 E quem me dera, quem me dera
 Ter eu, ainda, forças
 Pra mais um sacrilégio
 O último dessa minha visa
 De asma e fossas.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Patti Smith apresenta Banga

A eterna poetisa punk divulgou o novo disco no programa All Songs Considered, da NPR, que foi ao ar ontem. Patti também falou das músicas e artistas que marcaram sua vida/carreira e atacou de DJ. Da para ouvir aqui.

terça-feira, 19 de junho de 2012

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Leia a Zero [ ] e se torne uma pessoa melhor


Um dos grandes responsáveis pelo meu interesse no jornalismo é a Revista Zero [ ]. Fundada em no início do século por Daniel Motta, Luiz César Pimentel e Marcos Bezzi, a publicação marcou o início da minha idade adulta (que até hoje não emplacou) com um trabalho ao mesmo tempo irreverente e sério, que abordava temas com viés diferenciado das outras magazines e, principalmente, antenada para o que surgia de mais bacana no que dizia respeito à música e cultura pop, que iam de rock a pornografia. Em tempos em que a internet engatinhava, a Zero[ ] era uma onda de jornalisto refinado em um mar de mediocridade.
Infelizmente, por questões econômicas, a revista não vingou e, após três ou quatro anos, foi extinta. Felizmente, para os saudosistas - e também para aqueles que se interessam por jornalismo de qualidade - as edições da Zero [ ] foram disponilizadas para download. Dá para ler ou baixar aqui. Divirtam-se!!!

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Usher faz cover de Pump Up Kicks

Por alguns instantes, durante uma apresentação na BBC Radio 1, Usher deixou o R&B e de lado e incorporou uma faceta rock bem bacana, com uma versão gingada para Pump Up Kicks dos californianos do Foster The People. Ficou bizarro. Ficou massa!